domingo, 27 de janeiro de 2008

Regresso às vitórias...

Dois golos de grande categoria de Óscar Cardozo e uma jogada genial de Di María decidiram uma partida muito intensa e na qual o Benfica provou toda a sua qualidade perante um Vitória de Guimarães que, no seu ambiente, voltou a provar porque razão tem realizado um campeonato de grande nível. De facto, só um grande Benfica poderia ter batido este Vitória, e foi isso mesmo que aconteceu.

Uma autêntica
"pedrada" de Cardozo, logo aos sete minutos de jogo, foi o cartão de visita de um Benfica pleno de garra naquele que era um jogo de extrema importância para o Benfica e para o Vitória de Guimarães. Numa partida que "valia" o segundo lugar na Liga, os "encarnados" mostraram ao que iam através de um golaço do internacional paraguaio, pontapé fulminante na marcação de um livre directo a castigar falta de João Alves sobre Rui Costa a cerca de 25 metros da baliza vitoriana.

Se Cardozo cedo mostrou a garra benfiquista, cerca de 20 minutos depois foi a vez de Di María evidenciar pura classe. Uma jogada de sonho do argentino que, pela esquerda, iludiu Andrezinho e descobriu Maxi Pereira ao segundo poste, cabendo ao uruguaio a fácil tarefa de encostar para o 0-2. Fantástico início de jogo de um Benfica que aliou garra e pragmatismo de uma forma tremendamente eficaz.

No entanto, tal como se esperava, este não era um jogo de facilidades, algo que ficou provado pelos minutos que se seguiram. Não só o Benfica ficou privado do valioso David Luiz (saiu lesionado, entrand
o Nuno Assis e recuando Katsouranis para a defesa), como também o Vitória, apoiado por um Estádio D. Afonso Henriques quase lotado, não deixou de provar as razões que o levam a ser a equipa sensação desta Liga. Tal foi ainda mais evidente ao longo da segunda parte, altura em que os minhotos conseguiram, em alguns momentos, dominar a partida, chegando mesmo ao golo a meia-hora do fim, num cabeceamento do irrequieto Ghilas na sequência de um livre.

Foi então que o jogo se tornou ainda mais entusiasmante, com as duas equipas em busca do golo, registe-se a atitude benfiquista, sempre em busca do terceiro golo e nunca ficando "refém" da vantagem obtida muito cedo. Desmarets e Ghilas, os dois principais focos de perigo no ataque vimaranense, foram controlados, à distância da área benfiquista, por um meio-campo onde se destacou o guerreiro Petit e o competitivo e tecnicista Nuno Assis, tendo este último desempenhado um
importante papel na retenção da posse de bola.

O jogo encaminhava-se para os instantes finais quando Nilson aliviou uma bola contra Cardozo e o paraguaio nem pensou duas vezes antes de, a cerca de 35 metros da baliza do Vitória, atirar a contar. Vitória justa de um Benfica que não só mostrou que o segundo lugar segue intocável como também revelou atitude e futebol suficientes para, quem sabe, pensar em algo mais. O campeonato ainda vai a meio e há que continuar a so
nhar com o título, apesar de ser extremamente dificíl alcançar...



Palavra final, claro, para a homenagem que toda a equipa benfiquista fez em pleno relvado do D. Afonso Henriques em memória de Miki Fehér. Quatro anos depois, e no mesmo local onde o saudoso avançado nos deixou, a família benfiquista mostrou nunca esquecê-lo. E tal homenagem durou todo o jogo ou não tivesse a exibição "encarnada" sido retirada do fundo da alma. O Benfica desta noite teve algo mais, teve um pouco de Miki em cada uma das transpiradas camisolas que representaram o Glorioso.



Força Benfica!!!